A era Pia na Seleção Brasileira

A era Pia na Seleção Brasileira

29 de fevereiro de 2020 0 Por Jogando Com Elas

(Foto: Leto Ribas / CBF)

 

A treinadora chegou em julho do ano passado na casamata brasileira.

 

Uma nova era na Seleção Brasileira. Após um desempenho não satisfatório a frente da seleção verde e amarela, o ex-treinador Vadão deixou o cargo e assumiu a sueca Pia Sundhage, de 59 anos, para modificar o jeito brasileiro de jogar e levar o Brasil de volta para o topo das melhores seleções do mundo. O ano de 2020 será importante tanto para as canarinhas, quanto para Pia, pois terá a disputa dos Jogos Olímpicos, no Japão. Confira um pouco sobre estes sete meses da treinadora no comando técnico brasileiro.

 

Chegada

Após a queda nas oitavas de final da Copa do Mundo de 2019 e um retrospecto que já não era a seu favor – a Seleção chegou para o Mundial com a marca histórica de nove derrotas seguidas – o treinador Vadão não aguentou a pressão da torcida e da imprensa, e acabou deixando o cargo no dia 22 de julho de 2019.

Para o seu lugar, a Confederação Brasileira de Futebol foi atrás de Pia Sundhage. Com um vasto currículo pelo futebol feminino, a sueca aceitou o desafio e se mostrou empolgada em comandar o país do futebol. Confira o vídeo gravado por Pia para divulgar o seu acerto oficial.

 

Retrospecto

Sob o comando de Pia, as brasileiras já disputaram oito partidas, conquistando seis vitórias e dois empates. Ao todo, a equipe marcou 24 gols, tendo Debinha, Bia Zaneratto e Formiga como suas principais artilheiras. Além disso, depois da chegada da nova treinadora, a Seleção sofreu apenas dois gols, o que significa um avanço no setor defensivo da equipe.

A sueca também chegou em duas decisões com o Brasil: o Torneio Internacional de São Paulo e o Torneio Internacional da China. Nas duas oportunidades, a partida foi para os pênaltis, e a Seleção Brasileira acabou levando a pior nas duas.

(Foto: Lucas Figueiredo / CBF)

 

Com relação as atletas convocados, Pia chamou 42 jogadoras. Nomes renomados como Marta, Cristiane, Formiga e Bárbara estiveram presentes na maioria das vezes, mas a treinadora também trouxe alguns nomes novos, como Duda, Yaya e Bruna Calderan.

 

Todos os jogos sob comando de Pia:

Brasil 5 x 0 Argentina;
Brasil 0 x 0 Chile – Decisão nos pênaltis do Torneio Internacional de São Paulo – Brasil 4 x 5 Chile;
Brasil 2 x 1 Inglaterra;
Brasil 3 x 1 Polônia;
Brasil 4 x 0 Canadá;
Brasil 0 x 0 China – Decisão nos pênaltis do Torneio Internacional da China – Brasil 2 x 4 China;
Brasil 6 x 0 México;
Brasil 4 x 0 México.

 

Números positivos

Na primeira convocação de 2020, a CBF apresentou diversas estatísticas da Seleção sob comando de Pia, com relação as outras equipes do Top 10 da FIFA. Entre os mais relevantes, está a evolução defensiva. Antes, o Brasil sofria 1.58 gol por jogo e, após os primeiros jogos da nova treinadora, este número baixou para 0.56, só ficando atrás dos Estados Unidos e da França.

Outro dado importante é sobre o setor ofensivo. Antes, o ataque brasileiro aproveitava 24% das oportunidades que criava e, com a Pia, este número aumentou para 39% de aproveitamento.

 

2020 de agenda cheia

Neste ano, além das Datas FIFA comuns que estão presente ao longo da temporada, Pia ainda terá sua primeira grande competição a frente do Brasil. Em julho, vai ser dada a largada para os Jogos Olímpicos 2020, que acontecerão em Tóquio, no Japão. Será o grande teste para a treinadora sueca mostrar seu trabalho desenvolvido durante estes sete meses com o grupo brasileiro.

(Foto: Daniela Porcelli / CBF)