Com quatro novas e pesadas camisas, o Brasileirão A1 foi quem melhor se reforçou para 2020

Com quatro novas e pesadas camisas, o Brasileirão A1 foi quem melhor se reforçou para 2020

7 de maio de 2020 0 Por Jogando Com Elas

(Foto: Rubens Chiri / São Paulo)

 

Série com cinco reportagens do JCE falam sobre as primeiras rodadas do Brasileirão A1 2020.

 

O Brasileirão A1 de 2020 conta com o adendo de quatro camisas dignas de envergar qualquer varal, e que não estiveram na elite do futebol feminino nacional no ano passado. São Paulo, Cruzeiro, Palmeiras e Grêmio ocuparam, respectivamente, as quatro primeiras colocações no Campeonato Brasileiro A2 de 2019 e garantiram a oportunidade de almejar conquistas ainda maiores nesta temporada. 

Apesar da chegada à elite no momento que é considerado o ápice da história da modalidade no Brasil, apenas o Cruzeiro ainda não havia disputado competições nacionais do mais alto nível. O São Paulo foi o campeão da extinta Taça Brasil em 1997, quando este era o certame nacional mais importante.

O Palmeiras chegou ao vice-campeonato da mesma competição em 2000. A aparição mais recente no cenário principal do futebol feminino no país é do Grêmio. A equipe gaúcha disputou o Brasileirão A1 em 2017, logo no primeiro ano de reativação do departamento no clube, mas acabou sendo rebaixada.

 

As glórias do passado e a busca pela consolidação de um projeto

O São Paulo chega à elite do futebol feminino com as credenciais de ser o atual campeão do Brasileirão A2, ao vencer o Cruzeiro na final. A equipe de Lucas Piccinato ainda conta com pelo menos 3 grandes reforços para a temporada: além das jogadores Duda e Gláucia, a melhora na estrutura de treinamentos e jogos será importante nessa mudança de patamar.

O Tricolor do Morumbi retomou as atividades no departamento de futebol feminino em 2017, 20 anos após a obtenção da conquista da Taça Brasil. Em parceria com o Centro Olímpico, o primeiro ano de reativação contou com a participação das tricolores apenas em competições sub-17. Mesmo assim, o projeto já dava bons sinais: o Campeonato Paulista da categoria ficou com a jovem equipe são-paulina.

Empilhando títulos nas categorias de base, já projetando colher bons frutos, o segundo semestre de 2018 contou com seletiva para a equipe principal. Somado à esses dois fatores, a captação de jogadoras no mercado era o que faltava para a disputa das competições no ano seguinte. Com o elenco já praticamente pronto, ainda coube uma contratação de peso: a maior artilheira em Olímpiadas, Cristiane, foi anunciada no início de 2019 para o retorno do São Paulo às competições nacionais. Com 9 vitórias em 11 jogos, as são-paulinas chegaram na final com fortes credenciais. Vencendo o Cruzeiro na ida, no Pacaembu, por 4 a 0, as tricolores só precisaram do empate por 1 a 1 em Minas Gerais para soltarem o grito de “É Campeão!”.

Brasileirão A2

(Foto: Cristiane Mattos / saopaulofc.net)

 

Com oito reforços, como Duda e Gláucia, duas das principais atacantes da modalidade no país, o São Paulo chegou em 2020 com a intenção de consolidar o projeto. Saindo da sede social do Morumbi para utilizar os CT’s de Barra Funda e Cotia, a estrutura à disposição trouxe grandes evoluções.

O Brasileirão A1 de 2020 começou com uma reedição da final da segunda divisão nacional do ano anterior. Em Minas, a equipe paulista acabou iniciando a nova jornada com derrota para o Cruzeiro por 1 a 0. A primeira vitória do São Paulo foi acontecer só na terceira rodada, em um 3 a 1 sobre o Flamengo, no Rio de Janeiro. Antes disso, em casa, as tricolores ficaram no 2 a 2 com o Internacional. Na quarta rodada, contudo, uma vitória maiúscula. As são-paulinas receberam as atuais campeãs da América, do Corinthians, e venceram por 2 a 0. No último jogo antes da parada em virtude da pandemia de coronavírus, o Tricolor visitou o rival Palmeiras, em Vinhedo. Ao fim do jogo, 2 a 1 para o alviverde indicava o placar.

 

Como está o São Paulo:

O São Paulo ocupa a 9ª colocação do Brasileirão A1, com 7 pontos nas primeiras cinco rodadas. Empatadas na artilharia do clube paulista, com 2 gols cada, estão Jaqueline, Duda e Gláucia.

 

A surpresa veio de Minas Gerais

Apesar de contar com pelo menos 3 clubes campeões nas duas primeiras divisões masculinas, o estado de Minas Gerais nunca chegou nem perto de ser referência ou terreno fértil para o futebol feminino. Com a obrigatoriedade de montar-se times de mulheres, os clubes passaram a olhar com outros olhos para a modalidade. Com um time montado em 2019, em seu segundo ano de existência, a equipe do Cruzeiro pode ser considerada uma grata surpresa. 

Pela primeira vez em sua história disputando uma competição nacional da modalidade, o Cruzeiro apresentou um bom projeto, apesar da má gestão institucional que estampou jornais. As Cabulosas formaram um time interessante e avançaram aos mata-matas. Invicta nas fases eliminatórias até a final, acabou sendo superada na final pelo São Paulo, mas nada que diminuísse o brilho das cinco estrelas mineiras, que fizeram uma grande campanha e garantiram o acesso.

Brasileirão A2

(Foto: Vinnicius Silva / Cruzeiro)

 

A participação no Brasileirão A1 acabou chegando em um momento conturbado. Escândalos de corrupção na gestão, rombo financeiro e o primeiro rebaixamento do time masculino na história mexeram com o ambiente.

Apesar disso tudo, a equipe de La Bestia Negra vinha deixando grandes clubes do futebol feminino – como São José, Iranduba e Flamengo – para trás. Na estreia, uma vitória sobre o São Paulo na reedição da final da A2 do ano anterior. Na segunda rodada, uma empolgante goleada por 3 a 0 sobre o tradicionalíssimo São José, em São José dos Campos. Na terceira rodada, contudo, veio o primeiro revés. Em partida realizada no estádio Ulrico Mursa, as Cabulosas acabaram sofrendo com o projeto extremamente consolidado do Santos, e foram derrotadas por 2 a 0. No jogo seguinte, outra derrota, desta vez para um também recém ascendido. No Sesc Minas, o Palmeiras não tomou conhecimento das donas da casa e fez 5 a 0. Na última rodada antes da pandemia, uma viagem ao Norte do país, de onde a Raposa trouxe mais três importantes pontos: 2 a 0 sobre o Iranduba.

 

Como está o Cruzeiro:

O Cruzeiro está na 7ª colocação do Brasileirão A1, com 9 pontos conquistados em cinco partidas disputadas. A artilheira do clube mineiro é Miriã, com 2 gols.

 

Quando surge o alviverde imponente

Palmeiras e futebol feminino é um caso de amor antigo. Com o departamento criado no já distante ano de 1997, o alviverde paulista contou com muitas fases diferentes no que diz respeito à modalidade. O ponto alto dessa relação foi em 2000, quando as Palestrinas ficaram com o vice-campeonato da Taça Brasil. A trajetória do clube oscilou bastante e, ainda na primeira metade da década de 2010, o futebol feminino palmeirense teve as suas atividades interrompidas.

Em 2019, o Palmeiras começa um novo capítulo dessa história. Em uma parceria com a Prefeitura de Vinhedo, o Verdão começou a trilhar o caminho rumo ao retorno à elite. A equipe do Palestra chegou aos mata-matas com 100% de aproveitamento e com uma defesa que ninguém conseguiu superar, não teve suas redes balançadas. 

Nas oitavas e nas quartas, mais duas classificações sem sustos. Na semifinal, entretanto, o Choque Rainha encurtou a caminhada alviverde. Com uma derrota e um empate, o Palmeiras viu as são-paulinas comemorarem a classificação à final. Mas nem tudo era tristeza: a Academia voltava à primeira divisão. E a atual temporada começou com alguns reforços. Entre eles, os destaques do rival São Paulo Ottilia e Ary Borges, além da consagrada Bia Zaneratto. Apesar da manutenção de jogadoras importantes e do fortalecimento do elenco e do projeto, o início foi de oscilação. 

(Foto: Priscila Pedroso / Palmeiras)

 

O reencontro com a competição brasileira mais importante foi com derrota por 3 a 1 no derby paulista, contra o Corinthians. Na segunda rodada, as palestrinas foram à Bahia e aplicaram 4 a 0 no Vitória. Recebendo as campeãs brasileiras da Ferroviária, outra derrota. As Guerreiras Grenás não se intimidaram para a pesada camisa do Palmeiras e venceram por 4 a 1 em Vinhedo. No entanto, na quarta rodada, um belo resultado. Vitória fora de casa em cima do Cruzeiro pelo placar de 5 a 0. Mas a moral ficou ainda mais em alta quando, na quinta rodada, a tabela marcou um Choque Rainha. As palmeirenses fizeram 2 a 1 de virada foram para a parada com a quarta colocação na tabela.

 

Como está o Palmeiras:

O alviverde se encontra na 4ª colocação do Brasileirão A1, com 9 pontos nas primeiras cinco rodadas. A artilheira palestrina é Carla Nunes, com 5 gols, que também é a artilheira de toda a competição ao lado de Mylena do São José.

 

O retorno do Imortal

Entre os recém ascendidos, o Grêmio é o clube que tinha a participação na elite mais recente. O futebol feminino do Tricolor também passou por algumas má fases, mas foi reativado antes dos demais: em 2017, a equipe feminina gremista já figurava no Brasileirão A1. Com um projeto um tanto quanto bagunçado, as tricolores amargaram a oitava e última colocação e, consequentemente, o rebaixamento. No ano seguinte, já na segunda divisão, uma campanha decepcionante que contou até com uma goleada por 5 a 1 sofrida no clássico Gre-Nal. O Grêmio ainda sagraria-se campeão gaúcho em 2018, mas disputaria o Brasileirão A2 em 2019. Na temporada passada, o Grêmio chegou com a vontade de regressar ao degrau mais alto do cenário brasileiro. 

Durante a primeira fase, apenas uma derrota e classificação garantida. Nas oitavas, uma classificação tranquila sobre o Fluminense. Nas quartas, uma vitória e um empate contra o América-MG garantiram o acesso às gaúchas. Já na semifinal, duas derrotas para o vice-campeão Cruzeiro acabaram com o sonho das gurias gremistas de conquistarem o campeonato. Mas, ainda sim, o objetivo já havia sido cumprido e o imortal estava de volta ao Brasileirão A1.

(Foto: Divulgação / Grêmio FBPA)

 

Com o Estádio Vieirão, onde o futebol feminino do Grêmio treina e manda suas partidas interditado, o retorno tricolor foi no gramado sintético do Estádio Francisco Novelletto, em Porto Alegre. Em uma tarde chuvosa, o 2 a 1 sobre o Minas Icesp selou o reencontro tricolor com a primeira divisão. Na segunda rodada, uma visita ao tradicional Audax deixou as malas para o retorno à Capital Gaúcha três pontos mais pesada, já que o Grêmio venceu por 3 a 0.

Na terceira rodada veio a primeira derrota gremista. Em Caçador, as catarinenses do Kindermann/Avaí venceram por 1 a 0 no clássico do Sul. A segunda derrota veio justamente na rodada seguinte. As tricolores receberam as Sereias da Vila e não conseguiram evitar a imposição das santistas, que venceram por 2 a 0. Na última partida disputada antes do surto da covid-19 no mundo, o Tricolor volta a vencer, aplicando um 2 a 0 sobre o Vitória.

 

Como está o Grêmio:

As comandadas de Patrícia Gusmão estão na 6ª colocação do Brasileirão A1, com 9 pontos cinco jogos disputados. As artilheiras tricolores no certame nacional são Marta e Juliana, com 2 gols cada.