Conheça Raquel Nascimento, blogueira e apaixonado por futebol.

Conheça Raquel Nascimento, blogueira e apaixonado por futebol.

1 de novembro de 2018 Off Por Jogando Com Elas

O “Passando Pra Elas” é uma coluna onde abrimos espaço para mulheres, sejam elas torcedoras, jornalistas ou jogadoras, compartilharem um relato ou experiência do seu papel no cenário esportivo. Nesta semana, convidamos a vascaína Raquel para falar sobre sua relação com o futebol e seu blog no Instagram, o @raqueljoga10.

Olá, meu nome é Raquel Nascimento, sou mineira, blogueira e apaixonada por futebol.

Minha paixão pelo futebol vem desde novinha, apesar de não ter tanta influência dentro de casa, meu pai flamenguista e minha mãe não curtia futebol. Mas um certo dia fui na casa da minha irmã e vi uma toalha do Vasco, do filho dela. Eu tinha uns 9 anos mais ou menos e nesse dia eu fiquei encantada com aquela toalha. Foi aí que me tornei vascaína e começou meu amor pelo futebol. Na minha casa só foi ter televisão quando eu tinha uns 13 anos, eu escutava os jogos pelo rádio com meu pai e às vezes assistia na casa de alguém. Antes disso, na escola, eu já curtia jogar com a molecada e tal. Eu amava sentar com a galera e discutir sobre o assunto. Minhas amigas falando sobre revistas de batons, roupas, novelas e por aí vai e eu só futebol (risos).Fui crescendo e meu amor pelo esporte também, vascaína sim e com muito orgulho. Quando fui ao São Januário pela primeira vez, nossa, meus olhos brilhavam, mas sempre fui tímida (pode não parecer, mas até hoje sou) então contive as emoções. Apesar de já ter ido ao São Januário, eu nunca assisti uma partida do Vasco Profissional. Isso é um sonho que ainda vou realizar e vai ser lá na nossa casa. Nem consigo imaginar como vai ser quando isso acontecer…

Minha relação com o futebol feminino é recente, eu acompanhava mas não com tanta frequência. No dia 23 de agosto de 2015 eu criei um blog no Instagram, um Instablog, mas por incrível que pareça não era sobre futebol e sim moda, acreditem se quiser, uma coisa que não tinha nada a ver comigo. Mas de tanto as pessoas falarem: “ah nossa, futebol é coisa de homem. Você é uma mulher casada tem que gostar é de maquiagem”, eu fui nessa onda. Até fazer curso de maquiadora eu fiz, sou formada como maquiadora profissional, e segui com meu blog por algum tempo.

Ano passado (2017), em setembro eu perdi minha mãe, até hoje é muito difícil para mim. Somente eu sei o que passo e, com isso, eu não queria mais ter blog. Já falava sobre uma coisa que não gostava e depois da perda de minha mãe, ai que não queria mesmo mexer com internet. Quase cheguei a deletar minha conta, meu esposo que não deixou. Ele sentou, conversou comigo e foi onde falei para ele: “tá, eu preciso ocupar minha mente, se não vou pirar. Mas se voltar, vou falar sobre o que eu gosto, vou falar de futebol, mas dessa vez vai ser sobre o Futebol Feminino que não tem apoio e não é valorizado”. E foi aí onde tudo começou, no dia 23 de novembro recomecei.

Como moro no interior, é muito difícil o acesso a algumas coisas, então tudo que consigo postar é retirado dos poucos sites que falam sobre a modalidade. Assistir os jogos é muito difícil também, já que nem todos os clubes conseguem fazer transmissões, mas os que fazem não perco nenhum. E é assim que vou passando as informações para meus seguidores que curtem a modalidade assim como eu, busco nos sites, tenho algumas pessoas que me passam informações exclusivas, até chegar o momento de poder estar ali, acompanhando mais de perto. Eu descobri tantas meninas que amam o futebol, que sonham em ser uma jogadora, eu recebo tantas mensagens dessas meninas, que fico impressionada em um país que é considerado o “país do futebol”, com tantos craques, inclusive, uma delas ser uma mulher, a Rainha Marta, agora eleita pela sexta vez a melhor jogadora de futebol feminino do mundo, a modalidade ser tão ignorada, desvalorizada, deixada de lado aqui no Brasil. No começo, fui um pouco criticada por ter mudado radicalmente o assunto abordado no blog, mas hoje nem ligo e estou super feliz fazendo o que gosto, levando informações para muitas meninas que, assim como eu, amam o futebol, pois pra mim e para elas, não tem essa de futebol feminino e futebol masculino, tudo é futebol. Então vamos ter mais respeito e apoiar essas meninas.”