Departamento de futebol feminino do Sport não existe mais.

Departamento de futebol feminino do Sport não existe mais.

21 de fevereiro de 2019 Off Por Jogando Com Elas

(Foto: Divulgação / Sport Clube do Recife)

 

Faltando poucos dias para o início do Brasileirão feminino, o clube encerrou as atividades com as jogadoras.

As meninas do Sport Club do Recife foram bicampeãs estaduais no último ano e estavam prestes a disputar a Série A1 do Brasileirão feminino, mas o clube decidiu não prosseguir com a modalidade. O clube concedeu férias coletivas ao plantel feminino, mas sem previsão de retorno. Em entrevista ao Globoesporte, a atacante Jhulyana afirmou:

“Não são férias. Falaram que acabou. A gente tava treinando normal, aí falaram que teria uma reunião. Nenhum dirigente teve a capacidade de falar com a gente, mas foi nos passado que estávamos sendo liberadas. Nós sabíamos que a queda para a Série B [do elenco masculino principal] traria dificuldades, mas não esperávamos que fosse acabar assim.”

Durante a tarde desta terça-feira (19), Nira Ricardo, a coordenadora de futebol feminino, foi encarregada de informar as mulheres do time que o alojamento precisava ser devolvido. A ideia é usar esse mesmo alojamento para as categorias de base, já que as estruturas dessas categorias vão passar por melhorias.

O Sport passa por uma crise financeira, e essa é a razão principal para dissolução do time feminino, o que ainda gera estranheza, tendo em vista que o clube desembolsa cerca de R$ 40 mil por mês com todas as despesas da equipe feminina. Das 23 jogadoras, apenas 6 recebem salário, e mesmo assim, os pagamentos de novembro, dezembro e décimo terceiro estão atrasados. As demais jogadoras recebem ajuda de custo.

Sendo assim, a retomada da modalidade feminina, que o clube promoveu em 2016, se encerra de forma dramática para as jogadoras.

Vale lembrar que não só a Libertadores exige uma equipe feminina no regulamento, mas o Campeonato Brasileiro também. Em 2019, a condição se aplica aos times da Série A, mas em 2020, um time feminino se torna obrigatoriedade inclusive para os clubes que disputarem a Série B.