Do handebol ao futebol: conheça Gláucia Cristiano, atacante do São Paulo

Do handebol ao futebol: conheça Gláucia Cristiano, atacante do São Paulo

3 de março de 2020 0 Por Jogando Com Elas

(Foto: Lucas Figueiredo / CBF)

 

Em um bate papo sobre carreira e sonhos, o Jogando Com Elas entrevistou a camisa nove do tricolor paulista.

 

Para mergulhar na história de Gláucia, o JCE montou uma série de perguntas sobre o passado, o atual momento e os sonhos da craque atacante são-paulina. A menina que preferia o handebol ao futebol é, hoje, considerada a melhor atacante do Brasileiro A1. 

 

Primeira Peneira

De São Bernardo do Campo para o topo do futebol feminino no Brasil. Esta é Gláucia Suelen Silva Cristiano, de 27 anos. No passado, a titular do ataque são-paulino saía de casa para disputar uma peneira pela primeira vez, mas pelo handebol. Chegando lá, se deparou com o futebol, fez o teste e nunca mais parou de trilhar seu caminho na modalidade. 

“Por curiosidade, tentei (fazer a peneira) e fui aprovada. Comecei no gol, depois me passaram para a linha e fui gostando da modalidade […] até virar atacante e não mais sair do futebol”

Em alta no ano de 2010, jogando pela Seleção Brasileira Sub-17, Gláucia Cristiano se tornou campeã olímpica e foi a artilheira da competição – com sete gols – mesmo não sendo titular em todos os jogos.

Em 2012 chegou ao exterior, onde vestiu as cores da camisa do Red Angels, clube que desperta na atacante uma triste lembrança, considerada a pior de sua trajetória no esporte: a depressão. A doença colocou seus sonhos e metas em uma constante gangorra sobre o futebol. Na Coreia do Sul, longe da família, ela viveu uma luta diária para retornar ao Brasil e recomeçar sua carreira.

(Foto: Pedro Ernesto Guerra Azevedo / Santos FC)

 

O triunfo nos gramados brasileiros

Atuando em times como São José, Iranduba, Santos e São Paulo, a atacante se destaca quando o assunto é bola na rede. Em 2019, o auge de sua carreira, Gláucia realçou seu talento no ataque do clube santista com dezenove gols e dezoito assistências, em 32 partidas, retrospecto que a fez conquistar com o troféu de melhor atacante do Campeonato Brasileiro A1. A nomeação lhe despertou a vontade de voltar a defender a amarelinha e, por isso, intensificou a parte de treinamento físico.

“Quero melhorar essa parte física, sim, é uma parte que me incomoda, mas não deixa cair meu rendimento e nem me cobro além da conta. Sei do meu potencial mesmo com esta forma física… acredito que possa vestir novamente a camisa da Seleção Brasileira. É uma meta e desejo”

Apesar de seu ano triunfal pelo Santos, a equipe não foi bem no Brasileiro A1 e Gláucia decidiu que era hora de novos desafios. Sendo assim, apresentou-se então no rival São Paulo. A paulista chegou no tricolor como uma das principais contratações da temporada e frisa que o desejo de sua equipe é estar preparada para disputar todas as competições. A meta da atacante é repetir o seu grande ano de 2019 e deixar sua marca no ataque são paulino. 

“Espero conquistar títulos no São Paulo, desempenhar um bom trabalho, superar meus limites e recordes.”

(Foto: Reprodução / Twitter)

 

O legado no futebol feminino

Sua qualidade desperta atenção, principalmente por seu saldo positivo de gols diante das partidas disputadas. A forma fascinante em que desenvolve suas habilidades dentro das quatro linhas, impulsiona a camisa nove a superar seus recordes. A evolução do futebol feminino no Brasil ainda tem um longo caminho pela frente, mas podemos classificar o que já foi conquistado em caráter de profissionalização, respeito e conquistas através do empenho incessante de atletas como Gláucia Cristiano.