Entre lágrimas e aplausos, Marta discursa na sede da ONU.

Entre lágrimas e aplausos, Marta discursa na sede da ONU.

22 de março de 2019 Off Por Jogando Com Elas

(Foto: Camilo Pinheiro Machado)

 

Jogadora falou da sua trajetória em Nova York, em evento na última terça-feira (19).

Aconteceu na última terça-feira (19), na sede da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York, o “COI Women And Sport Trophy”, evento organizado pelo Comitê Olímpico Internacional para a premiação de entidades e personalidades anônimas, que contribuem para a igualdade de gênero nos esportes. No encontro foram entregues seis troféus, para as seguintes instituições e figuras: Comissão de Mulher e Esporte da Costa Rica; Confederação de Vôlei de Vanuatu; Djatougbe Natalie Noameshie, primeira árbitra de vôlei do continente africano; Saad Al-Ismaili, ativista esportiva de Omã; Morana Palikovic Gruden, jornalista da Croácia; e Po Chun Liu, advogada internacional de beisebol da China.

Porém, uma das convidadas de honra, Marta, emocionou os convidados em seu discurso sobre sua trajetória, tanto pessoal, quanto profissional. A atacante da Seleção Brasileira falou das dificuldades em ser mulher em uma área dominada por homens e do preconceito sofrido, mas do orgulho que sente por não ter desistido dos seus sonhos: “O preconceito e a falta de oportunidades me doeram muitas vezes ao longo do caminho. Doeu quando os meninos não me deixaram jogar, doeu quando treinadores adultos de times adversários me tiraram de campeonatos, porque eu era uma menina, doeu deixar minha família aos 14 anos de idade para enfrentar três dias de viagem de ônibus, com o dinheiro contado no bolso, e ir morar sozinha no Rio de Janeiro para jogar futebol profissional. Mas a minha certeza de onde eu queria chegar nunca me deixou desistir”.

A atual melhor jogadora do mundo também falou sobre a importância dos esportes na vida das mulheres: “O esporte é uma ferramenta muito poderosa para o alcance da igualdade de gênero.” Durante os seis minutos de sua fala, a pausa foi necessária algumas vezes, pois foi difícil conter a emoção. Para finalizar, acrescentou: “É nosso compromisso construir para elas (mulheres) e com elas um mundo em que a igualdade de gênero em todas as áreas da vida não seja mais um sonho, mas uma realidade. Obrigada”.