Ex-técnico da Seleção Brasileira, Vadão morre vítima de câncer

Ex-técnico da Seleção Brasileira, Vadão morre vítima de câncer

25 de maio de 2020 0 Por Jogando Com Elas

(Foto: Assessoria / CBF)

 

Treinador comandou a equipe brasileira na última Copa do Mundo, realizada na França, em 2019.

 

Foi confirmada no início da tarde desta segunda-feira (25), pela assessoria do hospital Albert Einstein, em São Paulo, a morte de Oswaldo Fumeiro Alvarez, o Vadão, aos 63 anos. Internado desde a semana retrasada, o ex-treinador não resistiu a complicações de saúde em decorrência de um câncer no fígado. Como profissional, ele soma passagens por Corinthians, Ponte Preta, entre outros clubes, além de ter comandado a Seleção Brasileira feminina em duas Copas do Mundo. 

Diagnosticado com a doença no início deste ano, Vadão estava se tratando em Campinas-SP, onde morava. Sob sigilo absoluto e com apoio da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), ele chegou a realizar sessões de quimioterapia, apresentando evoluções, mas, recentemente, teve seu quadro clínico agravado – o que, inclusive, lhe fez ir para a capital paulista. 

Após a divulgação de sua morte, clubes por onde atuou, colegas de trabalho e ex-comandados(as) expressaram seus sentimentos em postagens em diferentes redes sociais. “É uma perda enorme, tanto para o mundo da bola quanto para todos que conheceram o ser humano Vadão, uma pessoa muito querida e dedicada. A Ponte Preta está entristecida e se solidariza com toda a família e amigos. Vadão fará falta dentro dos campos e fora deles”, lamentou Sebastião Moreira Arcanjo, presidente da Ponte Preta, clube onde Vadão esteve na casa-mata por quatro oportunidades (2001-2002; 2005; 2006; e 2014). 

 

 

Seleção Brasileira

No comando da seleção canarinho por duas oportunidades (2014-2016 e 2017-2019), Vadão conquistou seis títulos – Copa América de 2014 e 2018; Torneio Internacional de Futebol Feminino 2014 e 2017; Campeonato Internacional de Futebol Feminino de 2015; e Jogos Pan-Americanos de 2015.  Além disso, ficou em quarto lugar nas Olimpíadas do Rio de Janeiro, em 2016. Seu último torneio à frente do grupo brasileiro foi a Copa do Mundo do ano passado, em que o Brasil acabou sendo eliminado na fase de oitavas de final, pelas anfitriãs da competição. 

 

O ex-treinador deixa a esposa Ana, os filhos Adriana e Carolina e dois netos. Ainda não há informações sobre o velório e sepultamento.