Renovação e esperança: confira como foi o ano da Seleção Brasileira.

Renovação e esperança: confira como foi o ano da Seleção Brasileira.

14 de novembro de 2019 0 Por Jogando Com Elas

(Foto: Mauro Horita / CBF)

 

O JCE traz um resumo da atuação do Brasil em 2019.

 

O Brasil encerrou, no último domingo (10), a sua campanha em 2019. Em 15 jogos, a seleção canarinho venceu seis, empatou dois e perdeu outros sete. No total, a equipe que iniciou o ano com Vadão como treinador e encerrou sob comando de Pia Sundhage, teve 44% de aproveitamento. 

A última data FIFA do ano não terminou do jeito que era esperado por Pia, suas comandadas e CBF (Confederação Brasileira de Futebol). A perda do título do Torneio Internacional de Futebol Feminino para a China, fez com que o Brasil terminasse 2019 sem erguer taças. 

Além deste vice-campeonato no final de semana passado, a Seleção Brasileira havia perdido em casa, no mês de setembro, o Torneio Uber Internacional de Futebol Feminino, o She Believes, no ínicio do ano, e ainda foi eliminada nas quartas de final da Copa do Mundo, realizada nos meses de junho e julho, na França. 

Futebol

(Foto: Daniela Porcelli / CBF)

 

Contudo, a perspectiva em que se conclui é melhor do que começou. Confira:

Sem vencer desde setembro de 2018, quando bateu o Canadá por 1 a 0 em amistoso, a Seleção Brasileira iniciou o ano de Copa do Mundo com muitas dúvidas, incertezas e receio. A comissão técnica não tinha o respaldo dos torcedores e imprensa, e dentro de campo os resultados não apareciam. 

Com a confiança em baixa, o Brasil perdeu todos os cinco jogos que disputou de fevereiro a abril, incluindo o torneio amistoso She Believes, nos Estados Unidos, e por opção de Vadão, treinador da equipe à época, e CBF, o elenco brasileiro não realizou partidas de preparação na última data FIFA antes do Mundial. 

Mas se técnica e taticamente o modelo de jogo brasileiro não estava dando respostas positivas, a raça foi o fator determinante para a construção da campanha na maior e melhor Copa de todos os tempos da modalidade. 

A desconfiança existia, mas com a participação decisiva de atletas experientes, a Seleção Brasileira cresceu em momentos importantes, avançou para o mata-mata na segunda posição do grupo C e superou expectativas. Na primeira fase, venceu Jamaica e Itália, e perdeu para a Austrália. Já na seguinte, foi eliminada nas oitavas de final pela a França e voltou para casa buscando e precisando de mudanças.

Copa do Mundo

(Foto: Assessoria / CBF)

 

E a tal modificação aconteceu. Exigindo melhorias e com um discurso de transformação na modalidade, a CBF demitiu Vadão logo após o término da Copa, trazendo para seu lugar a técnica multicampeã com os Estados Unidos, Pia Sundhage. 

Pia ganhou facilmente a confiança de todos, desde torcedores, direção e jogadoras. O trabalho consolidado nos elencos americano e sueco, e que passou a ser implementado na Seleção Brasileira, fez com que a postura, o bom futebol e a qualidade fosse retomada em jogos do Brasil. 

Apesar de ter perdido duas finais (nos pênaltis), a mescla de peças experientes com as jovens atletas que serão o futuro da seleção, traz a sensação de que os anos de brilhantismo vividos pelo Brasil poderão acontecer novamente. 

Futebol

(Foto: Mauro Horita / CBF)

 

Destaques do Ano

Debinha

Atual campeã da liga norte americana de futebol com o NC Courage, Debinha também foi importante ao longo de 2019 para a Seleção Brasileira. Além de ter sido uma das principais jogadoras na Copa do Mundo, a atacante foi a artilheira do ano, com 5 gols marcados.

Futebol

(Foto: Daniela Porcelli / CBF)

 

Marta

A rainha do futebol não poderia encerrar o ano sem deixar sua marca. No mundial da França, Marta, eleita seis vezes a melhor jogadora do mundo, quebrou mais um recorde. Com o gol feito diante da Itália, na vitória por 1 a 0, em jogo válido pela terceira rodada da fase de grupos da competição, e somado aos outros 16 marcados em edições passadas, ela se tornou a maior artilheira entre homens e mulheres em copas do mundo, com 17 tentos. 

Brasil

(Foto: Daniela Porcelli / CBF)

 

Pia Sundhage

Fora de campo ela é a grande atração. Bicampeã olímpica, a sueca trouxe, junto a sua nova metodologia de trabalho, a esperança na busca de títulos para o Brasil nos próximos anos. 

Técnica

(Foto: Daniela Porcelli / CBF)

 

Campanha:

Brasil 1 x 2 Inglaterra – 27/02/2019 Torneio She Believes 2019;
Brasil 1 x 3 Japão – 02/03/2019 – Torneio She Believes 2019;
Brasil 0 x 1 Estados Unidos – 05/03/2019 – Torneio She Believes 2019;
Brasil 1 x 2 Espanha – 05/04/2019 – Amistoso 2019;
Brasil 0 x 1 Escócia – 08/04/2019 – Amistoso 2019;
Brasil 3 x 0 Jamaica – 09/06/2019 – Copa do Mundo FIFA 2019;
Brasil 2 x 3 Austrália – 13/06/2019 – Copa do Mundo FIFA 2019;
Brasil 1 x 0 Itália – 18/06/2019 – Copa do Mundo FIFA 2019;
Brasil 1 x 2 França – 23/06/2019 – Copa do Mundo FIFA 2019;
Brasil 5 x 0 Argentina – 29/08/2019 – Torneio Uber de Futebol Feminino 2019;
Brasil (4) 0 x 0 (5) Chile – 01/09/2019 – Torneio Uber de Futebol Feminino 2019;
Brasil 2 x 1 Inglaterra – 05/10/2019 – Amistoso 2019;
Brasil 3 x 1 Polônio – 08/10/2019 – Amistoso 2019;
Brasil 4 x 0 Canadá – 07/11/2019 – Torneio Internacional da China 2019;
Brasil (2) 0 x 0 (4) China – 10/11/2019 – Torneio Internacional da China 2019.